A potência do humano como pedagogia da libertação

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Carlos Roberto Sabbi

Keywords

Autonomia, Desigualdade, Educação, Emancipação, Potência do Humano

Resumen

Nos últimos anos, todas as ações para diminuir as desigualdades não obtiveram êxito. Segundo o informe de OXFAM, entre 1980 a 2016, enquanto os 1% mais ricos ficaram com 27% do crescimento da renda global, a metade mais pobre do mundo ficou com 13%. A partir desse nível de desigualdade, a economia do planeta precisaria ser 175 vezes maior para permitir que todos ganhassem mais de 5 dólares (4 euros) por dia, concluiu a análise. Apesar de alguns êxitos localizados de alguns países, isso sintetiza o quadro de dramaticidade, pois tudo quanto tem sido feito para seu combate, acabou sendo, de certo modo, inócuo, conforme os números globais comprovam. Nesse artigo, seguiu-se os preceitos da metodologia hermenêutica reconstrutiva de modo que, por meio de construções e reconstruções, e através de uma ampla pesquisa bibliográfica, se encontrasse os elementos que deveriam compor uma formação cognitiva mínima. Chegou-se a 10 elementos que se constitui no que se denominou de Potência do Humano, a qual configura essa potencialidade de enfrentamento. O domínio dessas 10 condições não é simples, mas se configura como a necessidade básica para uma cidadania plena.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.
Abstract 38 | PDF Downloads 46

Citas

Abbagnano, N. (2007). Dicionário de Filosofia. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes.

Abelardo, P. Lógica para principiantes. 2. ed. São Paulo: UNESP.

Aquino, S. T. (2012). As virtudes morais: questões disputadas sobre a virtude. Campinas: Ecclesiae.

Aristóteles (2010). Sobre a alma. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda.

Aristóteles (2015). Da Alma (De Anima). (C. H. Gomes, Trad.) Lisboa: Edições 70.

Audi, R. (2006). Dicionário de filosofia de Cambridge. São Paulo: Paulus.

Barbosa, L. (2003). Igualdade e meritocracia: a ética dos desempenhos nas sociedades modernas. Rio de Janeiro: FGV.

Brasil (1997). Parâmetros curriculares nacionais: arte. 1ª a 4ª série. Brasília: MEC/SEF.

Cabral, L. C., & Nunes, M. C. de A. (2013). Raciocínio lógico passo a passo. Rio de Janeiro: Elsevier.

Caponi, S. (2004). A biopolítica da população e a experimentação com seres humanos. Ciência & Saúde Coletiva, 9(2), 445-455. Recuperado de https://www.scielosp.org/article/ssm/content/raw/?resource_ssm_path=%2Fmedia%2Fassets%2Fcsc%2Fv9n2%2F20398.pdf

Deleuze, G. (1974). Lógica do sentido. São Paulo: Perspectiva.

Devechi, C. P. V., & Trevisan, A. L. (2010). Sobre a proximidade do senso comum das pesquisas qualitativas em educação: positividade ou simples decadência? Revista Brasileira de Educação, 15 (43), 148-161. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v15n43/a10v15n43.pdf

Frege, G. (2009). Lógica e filosofia da linguagem. (7a ed.). São Paulo: Edusp.

Freire, P. (1977). Educação como prática da liberdade. (7a ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (2010). Educação e mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Gleiser, M. (2014). A ilha do conhecimento: os limites da ciência e a busca por sentido. Rio de Janeiro: Record.

Goleman, D. (1997). A Mente Meditativa. (4a ed.). São Paulo: Editora Ática.

Goswami, A. (2013). Criatividade para o século XXI. São Paulo: Goya.

Habermas, J. (1989). Consciência moral e agir comunicativo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

Heisenberg, W. (1999). Física e filosofia (4a ed.). Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Herrán Gascón, A. (2018). Fundamentos para una pedagogía del saber y del no saber. São Paulo: Edições Hipótese.

Hume, D. (1988). Tratado da Natureza Humana. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Kant, I. (2007). Fundamentação da metafísica dos costumes. Lisboa: Edições 70.

Kant, I. (2013). Metafísica dos costumes. Petrópolis: Vozes, 2013.

Keinert, M. C. (2006). Crítica e autonomia em Kant: a forma legislativa entre determinação e reflexão (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo – USP, São Paulo, SP, Brasil.

Koenig, H. (1998). Handbook of Religion and Mental Health. New York: Academic Press.

Maturana, H. R. Biology of language: epistemology of reality. In: Magro, C., Graciano, M. & N. Vaz (1997). Humberto Maturana: Ontologia da Realidade. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Merlin, N. (2017, 15 mar). Colonización de la subjetividad: las neurociencias [Blog]. Recuperado de: http://www.lateclaene.com/nora-merlin-cil9

Nietzsche, F. W. (2012). A gaia ciência. São Paulo: Companhia das Letras.

Orbe, F. B., Pagni, P. A. & Gelamo, R. P. (2013). Educación, experiencia y pedagogía biopolítica. Por un diagnóstico de nuestro presente educacional. Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação – RESAFE, 20, 87-106. Recuperado de: http://periodicos.unb.br/index.php/resafe/article/view/9666/7123

Oxfam Brasil (2017, 13 jan.). 8 homens têm mesma riqueza que metade mais pobre do mundo [Blog]. Recuperado de https://www.oxfam.org.br/noticias/8-homens-tem-mesma-riqueza-que-metade-mais-pobre-do-mundo

Prestes, N. H. (1997). Metafísica da subjetividade na educação: as dificuldades do desvencilhamento. Educação & Realidade, 22(1), 81,84. Recuperado de: http://www.seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/viewFile/71465/40541

Rios, E. R. G., Franchi, K. M. B., Silva, R. M., Amorim, R. F., & Costa, N. C. (2007). Senso comum, ciência e filosofia - elo dos saberes necessários à promoção da saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 12(2), 501-509. Recuperado de: https://www.scielosp.org/pdf/csc/2007.v12n2/501-509/pt

Sanchez, L. B. (2005). Lipman e o ensino de uma filosofia ideal. Aprender – caderno de filosofia e psicologia da educação, 3(4), 29-48. Recuperado de: http://periodicos.uesb.br/index.php/aprender/article/viewFile/3808/pdf_135

Sanchis, I. (2017, outubro 24). ‘A base de um cérebro saudável é a bondade, e pode-se treinar isso’ – Richard J. Davidson. Grande Arte. Recuperado de: https://www.agrandeartedeserfeliz.com/a-base-de-um-cerebro-saudavel-e-a-bondade-e-pode-se-treinar-isso-richard-j-davidson/

Schelles, S (2008). A importância da linguagem não-verbal nas relações de liderança nas organizações. Revista Esfera, 1, 1-8. Recuperado de: http://www.fsma.edu.br/esfera/Artigos/Artigo_Suraia.pdf

Schopenhauer, A. (2005). O mundo como vontade e como representação. São Paulo: Edunesp.

Vilela, D. S. & Dorta, D. (2010). O que é “desenvolver o raciocínio lógico”? Considerações a partir do livro Alice no país das maravilhas. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 91(229), 634-651. Recuperado de: http://rbep.inep.gov.br/index.php/rbep/article/view/634/614

Zatti, V. (2007). Autonomia e educação em Immanuel Kant e Paulo Freire. Porto Alegre: EDIPUCRS.